a dor | Nomoblidis | Posvenção de Suicídio
A dor
09/03/2019
Algumas constatações sobre o Luto por Suicídio | Nomoblidis | Posvenção de Suicídio

Algumas constatações sobre o Luto por Suicídio

Baseado na vivência de 2 anos no luto por suicídio listo algumas constatações que descrevo de forma simples, mas se quiser saber mais, clique nos links.

Eu pensei que estava vivendo um pesadelo. “Aceitação”

Tentei negar o óbvio. “A porta do quarto”

Achei que estava enlouquecendo. “Processo do luto”

Eu tenho a sensação de  que o tempo no luto passa de forma diferente. “O tempo”

Os “Sês e Porquês” me atormentaram e as vezes ainda atormentam.  “A culpa”

Eu questionei a minha fé“Fé e religiosidade”

Alguns amigos e conhecidos se afastaram mas outros se aproximaram.  “Ajuda para seguir em frente”

As pessoas não sabem o que dizer e tentam me confortar dizendo, “Foi melhor assim.” ou  “Deus sabe o que faz”. “Por quem os sinos dobram”

Eu tive a necessidade de encontrar pessoas que passaram pelo mesmo.  “Clube dos enlutados”

Algumas pessoas evitam falar sobre minha filha, pensando em não me chatear“Sobre barulhos e silêncios”

Problemas de saúde surgiram e alguns que eu já tinha ficaram piores.

Saudades dói demais.  “A dor”

A ausência dela é uma presença constante.  “A presença da ausência”

E lágrimas ocorrem espontaneamente.  “Água turva”

Eu me sinto incompleta.  “Coisas que uma mãe nunca quer fazer por um filho”

Algumas pessoas tentam me dar conselhos e dizer-me o que fazer mesmo não fazendo ideia de como eu me sinto.  “Empatia”

Relacionamentos mudaram. “A morte muda tudo”

Eu não tenho mais  ânimo para coisas que antes eu achava interessante.  “Buraco negro”

As vezes  tenho vontade de ficar só.  “Um dia de cada vez”

Algumas pessoas me cobram por uma superação, como se a vida viesse com manual.  “O bolo e a vida”

Tive e tenho raiva de algumas pessoas que poderiam ter ajudado mas não o fizeram.  “Maus tratos na UTI”

Tenho raiva por sentir raiva.  “Informar para prevenir”

Aprendi o significado real de empatia, resignificar e que compaixão sem ação não vale nada.  “Aprender apesar da dor”

Sobreviver é o que me resta, reaprendendo a cada dia e o que o amor é o sentimento mais forte que tudo, mais forte até que a morte e que ele dura além da vida.  “Amor além de nós”

E que enquanto eu viver, Marina viverá em mim.   “A imortalidade”

17 Comments

  1. Rosmary disse:

    Terezinha sua dor, aliás de vcs dois, Josival e Terezinha tem sido grande, e o compasso que vcs usam ajuda várias pessoas que convivem com esta experiência ímpar, pesada e involuntária. É sempre uma coisa rica ler seus textos. Enriquece a alma, grata querida.

  2. Renata disse:

    Exatamente isso, este luto particular nos traz estes sentimentos similares e mesmo difíceis nos desdobramentos para seguir o nosso rumo que é viver a cada momento. ..

  3. Sirlei disse:

    Oi Terezinha, nos conhecemos no grupo de apoio a sobreviventes do suicídio CVV, quis compartilhar uma música que meu filho, Taiumam, me mostrou e que virou um hino pra dizer o que sinto em forma de poesia. A letra é assim:
    Enquanto houver você do outro lado
    Aqui do outro eu consigo me orientar
    A cena repete, a cena se inverte
    Enchendo a minha alma daquilo que outrora eu
    Deixei de acreditar
    Tua palavra, tua história
    Tua verdade fazendo escola
    E tua ausência fazendo silêncio em todo lugar
    Metade de mim
    Agora é assim
    De um lado a poesia, o verbo, a saudade
    Do outro a luta, a força e a coragem pra chegar no fim
    E o fim é belo incerto, depende de como você vê
    O novo, o credo, a fé que você deposita em você e só
    Só enquanto eu respirar
    Vou me lembrar de você
    Só enquanto eu respirar
    Enquanto houver você do outro lado
    Aqui do outro eu consigo me orientar
    A cena repete, a cena se inverte
    Enchendo a minha alma d’aquilo que outrora eu
    Deixei de acreditar
    Tua palavra, tua história
    Tua verdade fazendo escola
    E tua ausência fazendo silêncio em todo lugar
    https://youtu.be/StAXDYKfNEo
    Um beijo grande,
    Sirlei

    • Terezinha C. G. Maximo disse:

      Sirlei, como você está?
      Essa música me emociona todas as vezes que ouço.
      Meu anjo mais velho do teatro mágico. E só enquanto eu respirar vou lembrar, e bem isso.
      Um grande beijo Sirlei.

  4. Ligia Mastrangelo disse:

    Só quem perde alguém, para o suicídio, poderia entender tão bem o meu luto.
    #juliamastrangelomeuamor 🏳️‍🌈❤️🌻

  5. Janete de Carvalho disse:

    Quando minha filha partiu minha vida pareceu que tinha acabado a dor parecia que não ia terminar o sono isso não tinha aos poucos eu fui me reconstruindo dizer que a dor diminuiu que a saudade de mim não eu não ainda não sinto uma imensa falta a saudade do sorriso do olhar do abraço da voz o mãe eu te amo mãe você é a mais linda do mundo tudo ficou vazio vou tentando reconstruir já se passaram quase seis anos dia 10 de Abril de 2019 faz seis anos que ela partiu como dói aos poucos eu vou levando

    • Terezinha C. G. Maximo disse:

      Janete, sinto muito.
      Eu acredito que aprendemos a lidar com a dor, ele vai ser sempre nossa companheira, então temos que aprender a conviver com ela senão sucumbimos também.
      Não é fácil, durmo e acordo todos os dias sentindo falta, saudades que não tem fim, mas aprendi que quanto maior o amor, maior é a dor e só temos saudades de quem verdadeiramente amamos e que amor por filhos é uma amor que vai além de nós.
      Um grande e forte abraço.

  6. alex disse:

    oi boa noite essa palavra suicídio entrou no vocabulário tem estado constante na minha mente sou etc enfermagem e n sei oq passa na minha cabeça choro do nada me sinto só
    n sei oq falar tenho medo

    • Suzete Canhassi disse:

      Oi Alex, procure ajuda! Talvez vc esteja com um quadro de depressão, e essa doença e silenciosa… Vc não está sozinha querida.
      Divida sua dor com um profissional, a carga fica mais leve.
      Estou aqui se precisar.

  7. Mari disse:

    É realmente sem palavras, não se tem o que falar, é a destruição da vida, é o fim da esperança, é quando vc se arrepende de ter nascido. Hoje faz exatos 8 dias que perdi minha mãe pelo suicídio, estava bem, feliz, fazendo dieta, cheia de planos. Carrego uma dor que me rasga alma onde penso “Se Deus me levasse agora eu iria dizendo que ele é bom”. Eu não estava dando atenção para minha mãe, estava com problemas sentimentais, um término de relacionamento, então estava totalmente cega, negligente e até grosseira, a última imagem que guardo dela é ela em uma discussão me defendendo, sabe o que eu fiz? Pensei só no meu umbigo, sai de casa, queria me livrar das brigas e estava voltada tão somente para minha dor. O preço do meu egoísmo e ingratidão? Foi morrer e continuar respirando, chego em casa e encontro o amor da minha vida, que tanto me amava morta. Ah meus amigos ah…. Que castigo é a vida pra mim. Ninguém jamais poderá mensurar minha dor. Criei ogeriza qdo alguns amigos tentando ajudar ficam me dizendo o que fazer…”ah mas vc tem que pensar na sua filha” ou tentam adivinhar o que estou sentindo e já saem com soluções prontas. Isso só faz mais mal. Aí que dor. Eu só sei que não sei, não tenho nenhuma palavra de esperança. Eu dava todos os meus membros, minhas saúde, e minha vida para tê-la aqui.

    • Terezinha C. G. Maximo disse:

      Mari, meus sentimentos.
      Nada poderá abrandar o que você sente neste momento, mas saiba que você não está só.
      Eu também daria tudo para ter minha filha comigo, mas não há nada o que ser feito a não ser procurar aprender a viver uma nova vida, uma vida sem a presença física de quem amamos. Confesso que não é uma tarefa fácil, mas com ajuda de quem passou pelo mesmo descobri que isso é possível.
      Sinta o meu abraço e conte comigo.

      • Mari disse:

        Querida Terezinha obrigada pelas palavras, obrigada pelo blog. Estou sem sentindo, a vida acabou pra mim, carrego muito arrependimento e culpa, a minha sentença será ter que viver assim, a morte pra mim seria a conta paga e a solução, mas não posso deixar esta mesma dor a minha filha, ao meu pai, não é honesto, preciso encaminhar a minha filha que é só uma criança e não pode Deus me livre ser criada com o pai. Mãe é amor, vivo por ela, estou presa nesta vida por ela, pela minha preocupação com ela não posso morrer, tenho muito o que fazer por ela, o amor que ela precisa está . mim. Mas se eu pensar só em mim,.seria maravilhoso ir dormir e ter uma morte súbita. Eu queria morrer, e estou presa na vida pela minha filha. Se Deus me levasse de forma natural, glorificaria o nome dele.

  8. Jaqueline disse:

    Olá, Terezinha. Vi uma entrevista sua e logo vim procurar o blog. Parabéns pelo trabalho e por continuar transformando a dor em informação para tantas pessoas. Tenho uma relação difícil com os meus sentimentos e problemas, pois não consigo expressá-los para aqueles que amo. E nos últimos tempos pensei recorrentemente em pôr fim a tudo. Muitas vezes pensei que isso traria alívio para mim e para os outros. Mas fiquei e, acho que ainda fico, dividida entre a vontade de aplacar a minha dor e o que eu posso causar aos que gostam de mim. Não tem sido dias fáceis, mas me deparar com a perspectiva de uma pessoa que vive o luto me fez pensar que eu preciso buscar ajuda profissional. Obrigada.

    • Mary disse:

      Com certeza, procure ajuda, viva para aqueles que te amam, ainda que dá forma deles, seja forte, está dor não é justa, acredite.

    • Terezinha C. G. Maximo disse:

      Jaqueline, a ajuda profissional poderá te fazer ter uma visão mais abrangente dos seus sentimentos e da sua dificuldade de se expressar e com isso te ensinar a conviver com eles de forma harmônica, conviver com todos os seus sentimentos e com as pessoas que você ama e que com certeza te amam também.
      A vida não vem como manual, cada dia aprendemos e vivenciamos coisas novas e eu acredito que para tudo na vida há uma forma de resolver os problemas sem radicalismo, pois a morte é para sempre.
      Espero que você encontre ajuda e se precisar estarei aqui.
      Um grande e forte abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *