Pandemia e o luto coletivo | Posvenção e prevenção do Suicídio
Pandemia e o luto coletivo
19/05/2020
A trilha sonora da vida e do luto | Posvenção e Prevenção do Suicídio
A trilha sonora da vida e do luto
10/06/2020
A camisa amassada | Posvenção e prevenção de Suicídio

A camisa amassada

E se tinha uma coisa que eu e a Marina discordávamos era sobre usar roupas amassadas, sem passar a ferro e as camisas amassadas eram motivos para conversas e argumentações na lavanderia.

Já escrevi que Marina gostava de usar camisas, que eram sua marca registrada, e volta e meia ela resolvia sair usando justamente aquela camisa que não estava passada e em algumas vezes eu achava que era um pouco de rebeldia por parte dela.

E quando eu a via com a camisa amassada de imediato pedia para ela trocar ou que ela a passasse, ela discordava, eu informava que as outras estavam nos cabides, mas ela queria justamente aquela e que era perda de tempo passar roupas, que a camisa iria amassar de qualquer jeito.

Isso aconteceu por várias vezes e os papos eram sempre os mesmos, ela tentando me convencer que deveria sair com a camisa amassada e eu tentando explicar para ela que sair com a camisa daquele jeito era relaxo e ela argumentava que sair com roupas passadas era uma convenção imposta pela sociedade e logo vinha com o discurso de que quando fosse morar sozinha eu não iria ver ela andando amarrotada, então que já fosse me acostumando. 

Eu não aceitava dizendo que enquanto ela morasse comigo ela só sairia com a roupa passada. E mesmo contrariada ela aceitava que eu passasse a camisa.

Nessas conversas surgiam assuntos da evolução da passagem das roupas, que passar roupas havia se tornado algo fácil pois os tecidos modernos não precisavam de tanto esforço, contei que eu não havia pego a época que além de passar, era preciso engomar as roupas, mas que já tinha visto minha mãe engomar algumas coisas.

Ela achava interessante, mas dizia que não justificava ter que passar roupas, que os tempos eram outros e que devia aceitar que para ela sair amassada não era problema.

Tenho costume de usar frases prontas, provérbio populares e dizia que ela só iria sair com a camisa amassada se eu não visse pois afinal “O que os olhos não vêem o coração não sente.”

Ríamos muito quando fazia comparações esdrúxulas com a camisa amassada,  “Marina logo essa camisa! Toma vergonha! Parece que a essa camisa saiu do Fiofó da Vaca!” E ela ria dizendo que não sabia de onde eu tirava certas comparações.

E as vezes ela dizia que eu tinha umas atitudes de pessoa antiquada eu perguntava se ela estava me chamando de velha e ela respondia: você entendeu.

Na época eu entendia de uma forma, hoje entendo de outra.

Para mim, como mãe, deixar minha filha sair desarrumada era um atestado de falta de cuidado e carinho. Mas hoje vejo que quando ela queria usar a camisa amassada talvez ela estivesse tentando passar uma mensagem.

Queria mostrar que não adiantava estar arrumadinha por fora se por dentro não estava nada bem e o exterior refletiria o interior.

Hoje entendo quando ela me questionava sobre a minha necessidade de pintar os cabelos brancos. Sempre respondia que os cabelos brancos me deixavam mais velha e ela dizia que não, que meus cabelos brancos refletiam uma realidade, que o tempo passava e que era uma dádiva tê-los.

Um dia, depois de uma má experiência no cabeleireiro onde ao tentar cobrir os brancos com uma outra cor e o resultado foi desastroso, ela me pediu, as gargalhadas, para eu nunca mais pintá-los e desde então eu não os pinto mais.

Pode parecer para as outras pessoas que é um relaxo, descuido, falta de vaidade, mas para mim não é, é um reflexo do tempo, é uma marca, hoje tenho orgulho de cada fio.

E como a Marina tentou me mostrar e eu demorei a entender que não adianta disfarçar esteticamente estando sempre com a cor do cabelo artificial, passadinha e arrumadinha por fora, sorrindo e disfarçando uma dor.

Hoje neste luto, eu percebo que sou como a Marina que teima em usar a camisa amassada, mas que as convenções da sociedade impõe que eu devo superar, que eu devo calar a minha dor e me mostrar sempre linda, forte e sorridente, pois a sociedade não tolera gente triste, não tolera gente amassada por fora, e por dentro ninguém vai conseguir enxergar. 

E o que os olhos não vêem, o coração não sente.

7 Comments

  1. karla cristine magalhães disse:

    o Armando tbm era assim usava o que queria roupas amassadas e as vezes velhas mas era aquela e pronto e eu agia como vc e hoje em luto perdi totalmente minha vaidade e sou cobrada por isso ,cabelos brancos pernas cabeludas sobrancelha sem fazer e penso exatamente como vc porque mostrar o belo por fora se estou destruída por dentro mas a cobrança vem ,nossa como vc esta gorda relaxada não se cuida e isso é terrível parece um desrespeito a minha dor ao meu momento mas aprendi a não escutar ninguém só a mim mesma porque só quem sabe da minha bagunça interna sou eu!!!

    • Terezinha C. G. Maximo disse:

      Karla, muito difícil não nos entendem e não aceitam e isso nos deixa mais angustiada ainda.
      Mas força, vamos juntas, caminhando um passo de cada vez.
      Um grande e forte abraço.

  2. Ligia Mastrangelo disse:

    Julia não usava roupa passada. Ela também achava como a Marina q ia amassar mesmo e q as roupas hoje eram de material mais fácil – para não passar. kkkk
    O quarto dela tb era um território só dela. Porta fechada significava q só por uma coisa muito séria (podia ser almoço pronto) q poderia ser “invadido”. Julia era cheia de limites. Desde bebê de colo. Era um eterno “mão me toques”. Minhas lembranças me dizem q só EU poderia invadir aquele bebê. Só eu poderia socorrer qdo caía (lá no início. nas primeiras tentativas de andar). Só eu poderia tocar nela.
    Depois ela foi criando uma tolerância maior aos outros toques. Mas foi assim até o final. E me dizia q o quarto só seria arrumado qdo ela estivesse “arrumada” tb. E nós vivíamos com esses códigos. As vezes compreendidos pelos outros. As vezes criticados pelos outros. As vezes insuportáveis de se ver. Mas dentro do nosso possível, sempre respeitados.
    E os cabelos brancos sempre me acompanharam. Nunca tive vontade de pintar ou esconder. Achava uma vitória minha secreta, a tudo q vivia. Tirando só 1 tentativa de “aumentar” os brancos (q desisti rapidamente – realmente não era para mim). Sigo com eles ficando cada vez mais brancos. E ela carinhosamente me chamava “cabelinho”. Ela nunca perguntou pq eu deixava ele assim. Ela não precisava. Ela me entendia.
    E eu sigo sentindo muita falta desse nosso amor…

    • Terezinha C. G. Maximo disse:

      Ligia, como já falamos várias vezes, nossas filhas eram muito parecidas.
      O quarto também era um lugar sagrado para ela, entrar só com permissão.
      Sempre a mandava arrumar a cama, ela argumentava que era besteira pois ela iria desarrumar em pouco tempo, quando fosse dormir.
      Esse amor infinito que nos maltrata tanto por não poder sentir o tato, o cheiro, ouvir a voz. Só lembranças, das mais doces à as algumas amargas, mas só lembranças.
      Um grande e forte abraço.

  3. Erenice Barbosa Lemes disse:

    Ah Terezinha, quantas recordações temos, quanta dor! Meu irmão gostava que eu comprasse as roupas dele, ele me admirava muito, a forma como eu me vestia, e eu sabia exatamente qual roupa cairia bem nele, nunca errava, quanta identificação, quanto amor.
    Até hoje não acredito que ele nos deixou dessa forma tão dolorosa, meu coração sangra de dor!!!

  4. Ilma ferreira disse:

    Nossa…como as experiências nos aproximam ..lendo esse seu texto,, m pus a pensar e relembrar,d como Aline estava s vestindo ns ultimos tempos,e como m desagradava e como discutiamos sobre isso. . Hj sei q pra estava passando mais uma mensagem( entre tantas) e eu não conseguia enxergar ou não aceitava). ..A vdd é q hj tbm não vejo tanta necessidade d pintar cabelo,fazer depilação,usar roupa combinando e etc….pra que passar uma msg mentirosa né??? Por que??. E pra quem….se meu interior tá todo desconbinado, incompleto, imperfeito,…Vc é uma luz Terezinha . Obrigada por conseguir por em palavras tantas coisas q estão presas em nossa mente…

  5. Edy disse:

    Terezinha, de novo o mesmo discurso e modos da minha Débora ! Sem comentários …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *