E começou mais um setembro amarelo | Nomoblidis | Posvençãp do Suicídio
E começou mais um Setembro Amarelo
06/09/2019
Todos meses Amarelos | Posvenção do Suicídio
Todos meses amarelos
11/10/2019
Ir além do Setembro Amarelo | Nomoblidis | Posvenção do Suicídio

Ir além do Setembro Amarelo

Para quem me vê com um sorriso no rosto em fotos, não faz ideia do quanto é difícil para mim sair da cama todos os dias.

Não faz ideia do quanto me dói abrir a porta do meu quarto e dar de cara com a porta do quarto da Marina aberta e vazio. Não faz ideia de como é dolorido ter certeza todos os dias que eu não tive um pesadelo que o que aconteceu foi real.

Que durmo todos os dias, com a esperança de sonhar com ela, de ver seu rosto e perguntar mais uma vez, por quê Marina que você fez isso? E de nunca ter a resposta, já que ela nunca poderá me responder. 

Setembro Amarelo é um mês difícil, mês que nós sobreviventes escutamos tantas pessoas despreparadas falando coisas sem saber. Tantos pseudos especialistas dizendo que 90% dos suicídios poderiam ser evitados. Tantos psicólogos atuando como coaching, querendo levantar a moral das pessoas com o “você consegue, você é mais forte do que imagina!” 

Mês que boa parte das pessoas se propõe a ser empático, acolher, ouvir, abraçar, mas que na verdade, é só mais um Marketing, um marketing amarelo. Passou Setembro, já não se lembram mais do amigo que está mal.

Participo de alguns eventos, uns falando, contando minha história, em outros apenas ouvindo, conhecendo pessoas, retribuindo afeto e por vezes passando raiva quando pessoas despreparadas saem como uma metralhadora giratória falando absurdos, repetindo frases de efeito e com julgamentos e preconceitos sobre doenças mentais e suicídio. 

Falar de dor é cansativo, ouvir pessoas falando de suas dores, também nos machuca e precisamos de uma grande dose de boa vontade e estar com a bateria recarregada de amor para poder aguentar firme, e principalmente esses dias amarelos. 

Talvez algumas pessoas não entendam. O que faço é a forma que encontrei para seguir adiante, falar e tentar levar informações que eu não tive, me ajuda a ter vontade de levantar da cama todos os dias. 

Quando encontro alguém que me parabeniza pela forma como eu estou encarando a vida e que o que faço está ajudando outras pessoas, é um misto de sentimentos que não consegui até hoje explicar. 

Uma sensação de  fazer um esforço danado para chegar em algum lugar e quando chego, não encontro o que eu queria. 

As vezes falo para o Joseval que é como nadar e morrer na praia, mas aí lembro que não sei nadar. Então descrevo que é como correr uma maratona e quando vou cruzar a linha de chegada, eu caio. 

Já escrevi, falei e repito. Não posso mudar o que me aconteceu, mas posso tentar transformar meus dias em dias mais leves, eu hoje, faço algo que nunca imaginei estar fazendo um dia, conhecendo pessoas que nunca pensei em conhecer, mas eu jamais estaria fazendo isso se não fosse pela morte da Marina, e com toda a certeza do mundo se eu pudesse fazer algo diferente na minha vida, seria a de não ter acreditado nela, naquele maldito dia. 

Eu ainda não me acostumei com essa vida que estou levando, preferiria mil vezes a vida onde ela estava presente fisicamente, mas hoje é isso o que me resta e falar dela alivia a saudade que cada dia fica mais forte. 

Não glamorizo a dor, sei que a dor sempre estará presente mas ainda não aprendi a dominá-la e tem dias que preciso disfarçar com um sorriso, para ficar bem nas fotos. 

Ainda bem que tenho um companheiro que me entende e eu procuro entendê-lo, pais maravilhosos, irmãos calorosos, cunhadas especiais, sobrinhos mais fofos do mundo, incluindo aí os de coração e um filho para lá de fenomenal. 

São eles que recarregam minha bateria, são eles que fazem meus dias valerem a pena e o amor que tenho pela Marina que me faz ir além.

Ir além do Setembro Amarelo.

9 Comments

  1. Otaviio disse:

    Fiquem em paz.💕

  2. Otaviio disse:

    Espero que vcs melhorem mais cada dia que passa percebo isso em vcs para que possamos ouvi-los .abcs.

    • Otávio disse:

      Sempre que posso ler suas msg o faço. Pois sinto que vcs melhoram cada dia vossa converssa é muito onfortante para nós muita força abcs.

      • Terezinha C. G. Maximo disse:

        Sr. Otávio.
        Agradeço imensamente o seu retorno, isso me mostra que preciso continuar. E que falando de minhas dores, posso mostrar para os outros que eles não estão sós e também me sinto acolhida.
        Um abraço e apareça.

  3. Otávio disse:

    Sempre que posso ler suas msg o faço. Pois sinto que vcs melhoram cada dia vossa converssa é muito onfortante para nós muita força abcs.

  4. Karla Cristine Magalhães disse:

    Ler suas mensagens de certa forma me conforta eu tbm sinto vontade de ajudar outras pessoas,mas tbm tenho dificuldade de caminhar sem meu grande amor ao meu lado meu filho Armando César que me deixou no dia 19 de agosto,tenho medo do amanhã, de não suportar essa ausência, tive que mudar de casa ,perdi minha identidade !O acordar e muito difícil ele não está mais em casa,tudo perde o sentido ,se não fosse Deus eu não estaria mais aqui ,ele me mostra que tbm tenho uma filha,pais ,irmãos,amigos,meu companheiro e outros jovens inclusive amigos do meu filho que precisam de ajuda ,quero me fortalecer pra ajudar meu próximo!!

  5. Renata disse:

    Depois da destruição precisamos reconstruir as nossas vidas do jeito que conseguimos !

  6. Mariliz Gritten disse:

    Terezinha busco forças em suas palavras para nós da família nunca imaginei que o o mês de setembro era o mês da luta contra o suicidio consciências ou não meu irmão se despediu da vida em um dia 10 e seu nascimento foi no mês de setembro …essas datas são avassaladora para nós que ficamos e falar de dor ninguém quer ouvir …Te agradeço pelas palavras fortes verdadeiras que aqui encontro e sinto que essa dor não é só nossa família que passa tem dias que difícil respirar da dor tão forte na alma ..que setembro outubro todos os meses possamos ter forças pra continuar e esperar o dia do reencontro.
    Fica com Deus 🙏,,.. gratidão sempre por poder compartilhar a dor

  7. Esmeralda kiefer disse:

    Conheci teu trabalho na querida Revista Sorria.
    No final de tudo, fica o amor!
    Um abraço carinhoso para ti!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *